COMMUNITY DAY: TECNOLOGIAS APLICADAS NO SETOR METROFERROVIÁRIO

COMMUNITY DAY: TECNOLOGIAS APLICADAS NO SETOR METROFERROVIÁRIO

Embora seja utilizado diariamente pelos paulistanos para se locomover em meio à capital paulista, a maioria das pessoas para sequer um minuto para pensar sobre como funciona o metrô.

Mas o verdadeiro participante de hackathons não se contenta em superar os desafios tecnológicos lançados nas maratonas. Ele busca compreender enigmas de tecnologia que envolvam qualquer área.

Pensar sobre as tecnologias aplicadas no setor metroviário, portanto, com certeza pode interessar a um verdadeiro hack.

É por isso que a Shawee trouxe para o Community Day, no dia 6 de junho, Marcos Augusto Toassa Fontealba para palestrar sobre tecnologias aplicadas em transportes metropolitanos, mais especificamente em metrôs.

Essa foi a terceira live transmitida de um total de onze. Todas elas contaram com conteúdos criados pela comunidade para a comunidade. Cheios de dicas, novos aprendizados e muita inovação.

INTRODUÇÃO À 3ª PALESTRA DO DIA

Marcos Augusto Toassa Fontealba é de São Paulo, capital, graduado em Engenheira Mecânica, especializado em Engenharia Metroferroviária e Engenharia Ferroviária, e possui MBA em Gestão de Engenharia de Produção.

Trabalhou oito anos e seis meses no metrô de São Paulo, e hoje é consultor/ analista autônomo em projetos de sistemas metroviários.

Marcos conheceu a Shawee no ano de 2018, quando participou do Hacka América, na Mackenzie, que foi organizado pela UITP (União Internacional de Transportes Públicos) Youth. O tema do hackathon foi mobilidade urbana.

Desde então, o consultor se apaixonou pelo estilo de vida proporcionado pelos hackathons. Em 2019, participou do primeiro Community Day, da Shawee, e, no mesmo ano, inscreveu-no no primeiro Mega Hack.

Na palestra dada nesta edição do Community Day, Marcos apresentou o tema de seu trabalho de conclusão de curso, intitulado “Tecnologias Aplicadas Em Transportes Metropolitanos: Estudo de Caso em Inovações Tecnológicas no Setor Metroferroviário na Cidade de São Paulo”.

TECNOLOGIA E TRANSPORTE

O objetivo do trabalho é expor o que existe de mais moderno e aplicado a inovações tecnológicas dos transportes metropolitanos, mais especificamente do setor metroferroviário (metrôs), na cidade de São Paulo.

Um dos objetivos principais do estudo é analisar o processo de monitoramento on-line, por meio da gestão de oferta e demanda de passageiros, de diversos trens das frotas X, Y, W, Z do metrô, presentes nas linhas 1, 2 e 3 do metrô de São Paulo.

ANÁLISE SOBRE SISTEMAS DE MONITORAMENTO ON-LINE

O monitoramento é uma coleta realizada de maneira sistemática e uma análise da informação de como um projeto progride.

Significa que as informações são coletadas durante toda a execução das intervenções, e que as análises dessas informações contribui para que os responsáveis pela implementação das intervenções acompanhem os resultados alcançados e verifiquem a necessidade de ajustes nas ações, para que os objetivos e metas sejam alcançados.

É criado (o monitoramento) para melhorar a eficiência e a eficácia de um projeto ou organização.

Se por meio do monitoramento, é possível coletar informações sobre os processos realizados no decorrer da implementação das intervenções, pode-se mensurar os recursos utilizados, o tempo despendido nas ações, bem como visualizar se os objetivos estão sendo alcançados ou não.

Todas essas informações decorrentes do processo de monitoramento facilitam a tomada de decisões, ou seja, o gerenciamento correto das intervenções, com vistas sempre a alcançar os objetivos com o tempo e os custos adequados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para os cenários futuros de aplicações, fica proposto serem utilizados melhores estudos no sistema de arquitetura de redes do trem, o TCMS, para conseguir maior agilidade na aquisição de dados do sistema de carregamento do trem, e uma melhor infraestrutura de transmissão de dados dentro dos túneis, dessas informações dos trens.

Sendo transmitidas essas informações diretamente para o Console do CCT – Console de Trens do CCO, de cada uma das respectivas linhas, é possível tomar uma melhor decisão por parte dos operadores de console, melhorando a operação comercial.

—————————————

Nessa edição do Community Day, as palestras puderam ser acompanhadas on-line. Para isso, foi preciso apenas uma telinha e uma conexão com a internet.

Graças a esse novo formato, pessoas de todos os cantos do Brasil puderam acompanhar as lives do evento. Aliás, não só do Brasil, mas de alguns países ao redor do mundo também.

E você, conseguiu acompanhar as palestras e absorver os conteúdos feitos da comunidade para a comunidade?

Não vemos a hora de estarmos juntos novamente. Você estará na próxima edição do Community Day, certo?

Link: https://youtu.be/vQhxfwdLgbA

           

Posts relacionados


MEGA HACK WOMEN: CONHEÇA O TOP 10 DO DESAFIO ÁR...

Feito por mulheres, para mulheres, com o intuito de reunir as profissionais de todas as áreas de atuação para um único obj...

CONHEÇA AS EQUIPES QUE SE DESTACARAM DO MEGA HA...

No Brasil, apenas 20% dos profissionais de TI são mulheres. Já no Mega Hack Women, esse índice subiu para 100%.Se a desigu...

COMMUNITY DAY: ENTENDA COMO FUNCIONA O DIREITO ...

Quem participa de hackathons com alguma frequência, já deve ter ao menos cogitado a ideia de estar dentro de uma startup. ...

COMMUNITY DAY: TECNOLOGIAS APLICADAS NO SETOR M...

Embora seja utilizado diariamente pelos paulistanos para se locomover em meio à capital paulista, a maioria das pessoas pa...

COMMUNITY DAY: DESCUBRA COMO MANTER A MOTIVAÇÃO...

Para entrar em um hackathon, é preciso ter um objetivo em mente. Alguns participam para adquirir conhecimento, outros para...

MEGA HACK 3.0: CONHEÇA O TOP 3 DO DESAFIO VTEX

Se Mega Hack tem o prefixo MEGA no nome, não é apenas porque ele é o maior hackathon do País em números, mas também porque...